Movimento protege mulheres da violência em meio à COVID-19

Com o objetivo de proteger a mulher em tempos de quarentena e isolamento, os institutos Nelson Wilians, Justiça de Saia e Bem Querer Mulher se uniram na força-tarefa JUSTICEIRAS.

O movimento lança hoje o WhatsApp JUSTICEIRAS para dar apoio e orientação gratuita à meninas e mulheres em situação de violência doméstica. Para utilizar o serviço, basta enviar uma mensagem para o número (11) 9.9639-1212, preencher o formulário que receberá e aguardar que uma das JUSTICEIRAS no Brasil entre em contato. O acesso também pode ser feito clicando nesse link, que direcionará automaticamente para o WhatsApp.

O Brasil é o quinto país do mundo com maior número de casos de violência contra a mulher. Na China, onde a COVID-19 deixou mais de três mil mortos, ONGs informaram que denúncias de agressões aumentaram três vezes desde o início do isolamento implantado no país. A explicação para esse crescimento é simples: impedidos de sair de casa, vítima e agressor passaram a conviver mais tempo juntos.

A presidente do INW, Dra. Anne Wilians, explica que “queremos dar nosso apoio neste momento em que as mulheres podem ficar mais expostas à violência doméstica, já que a convivência se intensifica em função do isolamento social. Muitas esposas, filhas, irmãs e mães podem estar sofrendo algum nível de violência sem que saibam estar passando por isso. Estaremos prontas para orientar sobre as diversas violências sofridas e como pode-se contorná-las, seja pelo Direito, autoamor ou empatia”.

“Nossa intenção é que elas se sintam seguras, acolhidas e bem orientadas, que recebam o suporte psicológico, jurídico e todo apoio que precisam para, juntas, atravessarmos este cenário do isolamento, sem criar sequelas ainda maiores. Também estamos empenhadas em unir mulheres que desejam compartilhar experiências sobre o tema, para promover o acolhimento e a sororidade”, finaliza Dra. Anne Wilians.

Tags: