INW CONECTA: Racismo Estrutural

O 1º Encontro do Programa INW CONECTA aconteceu na terça-feira (09) e recebeu convidados muito especiais para desenvolver a conversa. Com o tema A luta por vidas negras importa, o bate-papo online reuniu mais de 190 jovens, adolescentes, profissionais de organizações sociais e da NWADV de 38 cidades da Federação. A conversa foi mediada pela Dra. Anne Wilians, presidente do INW.

Com muito alto astral e energia contagiante, a conversa começou com o empresário e palestrante Geraldo Rufino, que compartilhou os caminhos que atravessou para chegar onde está. Ele contou que desde criança sua mãe ensinou a ter orgulho, a amar e gostar de como ele é. “Nascer negro é um presente”, ressaltou várias vezes. Outra motivação dada aos jovens foi a de que o racismo deve ser enfrentado juntos, em comunidade, somando forças e olhares de todos os seres humanos. Geraldo concluiu sua fala dizendo que “a educação é um meio eficaz e necessário para romper com esse preconceito”

O professor, escritor, pesquisador e palestrante Natanael dos Santos conta que a superação da sua história se deu por meio do estudo. “Eu não sou da raça negra, eu sou da raça humana. Toda a forma de preconceito é uma falta de informação. O conhecimento nos deixa nobres,e foi ele o divisor de águas na minha vida”. O professor traz informações sobre as características físicas do negro. “Todos nós temos o mesmo direito e capacidade, o que não temos é a compreensão da nossa história. Se tivéssemos aprendido a história do negro com viés diferente, nosso olhar seria outro. Todos iriam nos olhar como o ser humano que somos”.  

Fernanda Santana, coordenadora pedagógica do Centro Educacional Dom Bosco e Escola Dom Bosco das cidades Jaboatão dos Guararapes e Recife, no estado do Pernambuco, conta-nos sobre sua luta por conquista e pertencimento. “Hoje eu me reconheço como mulher num espaço de resistência, e transfiro isso para meus filhos e alunos.” Fazendo referência às explicações do Professor Natanael, ela reflete: “Se, no 5º ano do ensino fundamental, eu tivesse professores que me ensinassem sobre minha boca, meu nariz, minha pele e meu cabelo, eu teria crescido mais empoderada. Eu só descobri a beleza do meu cabelo aos 30 anos de idade. Imagina o que são 30 anos lutando contra minha essência!”

Dra. Jéssica Diniz, advogada na NWADV em São Paulo-SP, compartilhou questões legais relacionadas ao racismo e injúria racial, seja de forma coletiva ou individual, seja na área cível ou do trabalho. A profissional conta que em ambos os casos é possível acessar a justiça gratuitamente, por meio da Defensoria Pública Estadual. Ela também menciona organizações sociais que oferecem esse apoio jurídico às pessoas que sofrem esses crimes, como a Geledés (Instituto da Mulher Negra de São Paulo), em parceria com o Escritório Nacional para Assuntos da População Negra Zumbi dos Palmares de Brasília e também o CEAP (Centro de Articulação de Populações Marginalizadas do Rio de Janeiro). 

O Programa INW CONECTA é um ciclo de 8 encontros, que ocorrerão todas as terça-feiras às 14h nos meses de junho e julho. O INW agradece todos que estiveram presentes e abrilhantaram ainda mais este momento. 
Os próximos encontros abordarão os seguintes temas: inteligência emocional, masculinidade saudável, empoderamento feminino, responsabilidade social e política, tecnologia e mídias digitais, mundo do trabalho, resiliência e superação.  

Tags: