Campanha ‘Cesta Solidária’ do INW e do NWADV ultrapassa meta de doações

Projeto, abraçado por todos os voluntários com muita vontade e determinação, totalizou 1578 kits

Os times do Instituto Nelson Wilians (INW) e do Nelson Wilians Advogados (NWADV) se uniram, de outubro a dezembro, para ajudar crianças, adolescentes e jovens de organizações sociais por meio de doações de cestas básicas e presentes duráveis.  O projeto foi abraçado por todos os voluntários com muita vontade e determinação. Graças a esse esforço, a meta de arrecadação foi ultrapassada, o que impactará a vida de centenas de pessoas. 


Na reta final, foram realizadas todas as entregas nas 29 organizações sociais beneficiárias. Inicialmente, a meta de arrecadação anunciada foi de 1.169 cestas. No decorrer da campanha, porém, o total chegou a 1578 kits angariados – 135% da meta estabelecida. 

A iniciativa buscou, com o apoio de todos os colaboradores, unir esforços para mitigar os impactos causados pela pandemia nos lares brasileiros. 

Esse empenho todo contou com apoio e a solidariedade total de todas as filiais do NWADV. As cinco que despontaram com o maior número de arrecadações foram: Matriz – SP (531), Porto Velho – RO (200), Campinas – SP (120), Curitiba – PR (100) e Campo Grande – MS (83). 

Idealizado pelo INW e pelo NWADV, o projeto Cesta Solidária foi criado objetivando promover uma ação social, contando com colaboradores dos dois grupos. Além de combater a fome, o projeto de caráter emergencial visa promover a cidadania, os direitos humanos, apoiar as organizações do Terceiro Setor e reforçar laços de empatia e altruísmo. 

A campanha foi organizada pelo Comitê INW, o qual faz parte da educação corporativa do NWADV, que visa agregar e capacitar seus colaboradores, qualificar a criação de conteúdos e destacar seus posicionamentos junto ao mercado advocatício. Esse grupo é formado por: Ana Paula Faria (Campo Grande – MS); Arthur Pimentel (Rio de Janeiro – RJ); Carolina Bassetti (São Paulo – SP); Gean Lopes (São Paulo – SP); Isabely de Paula (Curitiba – PR); Karem Corrêa (Manaus – AM); Laiza Botelho (Recife – PE); Marcel Vajsenbek (São Paulo – SP); Samira Abdalla (São Paulo – SP); Sophia Rezende (São Paulo – SP); Susana Chaves (Curitiba – PR); Thais Lentz (São Paulo – SP); Thais Sulzbach (Recife-PE); William Ruiz (São Paulo – SP); Anielle Sousa (São Paulo – SP); Júlia Sapucahy (São Paulo – SP)

Em sua trajetória, o INW sempre trabalhou com adolescentes, jovens e mulheres em situações de vulnerabilidade social. Houve investimentos e a promoção de projetos com o objetivo de potencializar a Educação e o Direito para combater as desigualdades. Um dos principais programas é o NW Solidário, onde é enfatizado o voluntariado social, que mobiliza profissionais do NWADV para se engajarem na busca pela justiça social. 

No cenário político que o país enfrenta, aliado à pandemia que parece não ter fim, a solidariedade de todos é muito importante. De acordo com os últimos dados da Rede Penssan, o Brasil registra hoje um quadro de 119 milhões de brasileiros com alguma privação alimentar, sendo 19 milhões passando fome -sem saber quando voltarão a se alimentar – e 55% das famílias em insegurança alimentar – ou seja, sem acesso regular e permanente a alimentos. 

Nesse sentido, é importante salientar o comprometimento do INW com os

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, principalmente nos aspectos que norteiam as ODS 1 (Erradicação da pobreza), 2 (Fome Zero e Agricultura Sustentável), 3 (Saúde), e 10 (Redução das Desigualdades).

“Acabar com a pobreza em todas as suas formas, em todos os lugares” é o que diz o ODS 1, que se assemelha aos princípios do INW de igualdade e justiça social. 

“Os últimos meses nos provou a importância de promovermos redes de pessoas interessadas em impactar positivamente a sociedade, reforçando valores como o altruísmo, empatia e resiliência. Esse é o objetivo desse projeto promovido pelo Comitê INW: trazer para perto daqueles que precisam pessoas de coração aberto para compartilhar e lutar pela justiça social”, ressaltou Anne Wilians, CEO do INW.

Tags:

Deixe uma resposta